Saldo

Muita gente já sabe que eu não gosto muito de fazer aniversário. Não pelo motivo tosco da Glória Maria, que esconde até de si mesmo a idade e usa mil creminhos para evitar qualquer princípio de ruga, mas pelo simples fato de que eu não gosto de ser o centro das atenções.

E o dia do seu aniversário é o momento em que a Terra para de girar em torno do sol e começa a rodar ao seu redor. Mesmo assim, vale registrar alguns acontecimentos curiosos - ou não - que tornaram o meu dia menos comum e mais, hmm, aniversarioso.

- 37 scraps de aniversário, sendo um no dia 6 e outro no dia 8, número que me fez chegar, assim como o Romário, ao número 1000 na carreira (parabéns ao Zé, meu primo, que provavelmente sem querer registrou o milésimo). ah, detalhe: curioso como tem gente (2) que não tem certeza do parabéns e reescreveram seus recados comemorativos...

- 4 torpedos sms de aniversário, o que prova que a tecnologia ganha espaço até na hora de parabenizar. O engraçado é que até a minha mãe aderiu a este formato para desejar saúde, felicidade e realizações a mim. Ela ligou depois, à noite, mas o primeiro sinal do dia foi mesmo via celular.

- 12 ligações de aniversário é o número que eu conclui tentando lembrar quantos me ligaram para ouvir minha bela voz agradecendo a tudo que era falado do outro lado. O meio mais tradicional é o mais utilizado por pessoas próximas que estão longe, caso do meu pai, minha mãe, meus avós e velhos amigos de outrora.

- 19 abraços de aniversário foram recebidos, apesar dos números serem tão imprecisos quanto os de ligações recebidas. Neste caso, não importa quem era. Só o fato de estar disposto a me parabenizar já vale. Como recompensa, todos receberam uma cara de constrangido/envergonhado.

- 5 comentários de aniversário foram recebidos neste despojo, muito menos do que os 11 do ano passado, quando comemorei com o post em que o Jo Soares me entrevistava. Até hoje este texto é lembrado e mantém o recorde de comentários em um só post. Mas desta vez eu entendo a baixa audiência, afinal publiquei algo mais subjetivo e menos criativo.

Enfim. Estes são alguns números do meu dia 7 de maio. A frieza do número pouco me importa, mas eu fico feliz e agradeço à todos que lembraram. Não teve bolo (preferi um alfajor Havanna), nem parabéns (ainda bem!), mas foi um dos aniversários mais ideais que eu já passei até aqui. E que venha o ano que vem, então!

5 comentários:

Lui disse...

Júlio, eu também odeio aniversário, tenho um histórico péssimo, hahahaha...mas se eu soubesse que você odiava teria sido mais discreta no meu parabéns, e não falado alto no meio da sala, hahahahahaha...

Beeeeeeeeeeeeeijos!

C. Dayan: disse...

19 abraços de aniversário!Mmm, 19 é um número bom, gosto dele. ;) Mas eu não fiz parte desse grupo. Meu abraço chegou pelo meio mais tradicional, como vc mesmo define.

Eu estou no grupo dos 12, mas o meu foi o primeiro, rárá. Mas não foi planejado, juro.

Senão, já viu, vou escutar vc me amolando até...

E olha, já cedi ao comentário, chega! rs

Beijo e sorrios largos D'propositados

Milly disse...

tá. faltou a categoria "pessoa que te parabenizou de 5 em 5 minutos".

;)

Fábio disse...

Pô, será que só eu gosto de fazer aniversário nesse mundo??? Hehehe.

Ane Talita disse...

Tbm não curto muito o dia de aniversário...
Mas sempre é uma data para a gente ficar refletindo...sei lá...eu sempre começo a brisar quando está chegando o meu...
beijo!